Efeitos do DNA / RNA exógeno de plantas geneticamente modificadas no sistema imunológico humano

Efeitos do DNA / RNA exógeno de plantas geneticamente modificadas no sistema imunológico humano 1

AUTOR: Dr. Werner MÜLLER

Traduzido por RALLT. Revisado por Manuel Talens.

Resumo

O sistema imunológico dos humanos tem dois aspectos, o inato e o adaptativo. O inato reconhece padrões universais –os chamados modelos associados a patógenos–, tem persistido ao longo da evolução, atua por meio de receptores de reconhecimento (daqui em diante, RR) e constitui “a primeira linha de defesa” [1] .

Sequências de ácido desoxirribolucléico (DNA) e ácido ribonucléico (RNA) são modelos associados a patógenos que possuem funções imunomoduladoras [2]. Muitos RRs pertencem à família dos “receptores toll-like ou TLRs”: o receptor TLR3 reconhece o RNA de fita dupla; TLR7 e TLR8 reconhecem RNA de fita simples e TLR9 é um receptor para DNA CpG [3]. Além disso, existem receptores TLR independentes que também reconhecem DNA e RNA.

As plantas geneticamente modificadas contêm genes sintéticos (sequências de DNA) que não existem em nenhuma das espécies vivas. Os cientistas conseguiram produzir plantas geneticamente modificadas, mas, ao fazê-lo, não levaram em conta os padrões antigos e universais das sequências de DNA, as únicas que o sistema imunológico reconhece.

Durante a digestão, existem fragmentos de DNA alimentar e sequências sintéticas que não se degradam completamente no intestino e podem ser detectados no sistema linfático, no sangue e em alguns órgãos como o fígado, baço e músculos. Nesses locais, foi possível detectar uma atividade imunomoduladora do DNA de bactérias dos alimentos.

É bastante provável que a presença no sangue, fígado, etc. de fragmentos de sequências de DNA sintético de plantas geneticamente modificadas dá origem a alguma atividade imunomoduladora ainda desconhecida. Como as plantas geneticamente modificadas contêm sequências de DNA sintéticas que são novas para o sistema imunológico, sua atividade imunomoduladora pode ser muito diferente daquela desenvolvida ao longo da evolução humana versus "sequências de DNA de alimentos naturais". As autoridades da União Europeia responsáveis ​​pela segurança alimentar (EFSA) [4] têm estado - e continuam a ser - silenciosas sobre esta questão.

Até o momento, a atividade imunomoduladora de sequências de DNA sintético de plantas geneticamente modificadas permanece excluída da avaliação de risco. É urgente desenvolver uma orientação exploratória (ou um programa de pesquisa) que analise a atividade imunomoduladora das sequências de DNA sintético de plantas geneticamente modificadas. A sua segurança em relação à saúde do ser humano não pode ser determinada sem previamente esclarecer questões inacessíveis como estas.

Extrato: Captação de DNA alimentar em tecidos de mamíferos

Introdução

O risco alimentar à saúde humana representado pelo DNA e RNA de plantas transgênicas ainda não recebe a atenção que merece. O principal argumento que costumava ser feito é que o DNA dos alimentos está completamente degradado no trato digestivo. Embora casos de captação de DNA de alimentos tenham sido detectados no sangue de camundongos (Schubbert et al. 1994), esses casos foram considerados raros, e não um fenômeno generalizado (ILSI 2002). Mas esse ponto de vista mudou completamente à medida que vários estudos mostraram que a absorção do DNA da dieta no sangue e em vários órgãos é um fenômeno generalizado, não uma exceção.

Doerfler e o grupo de Schubbert estavam entre os primeiros a mostrar que o DNA do vírus M13 administrado por via oral atinge a corrente sanguínea (Schubbert et al. 1994), leucócitos periféricos, baço e fígado através da mucosa intestinal e pode ser covalentemente ligado ao DNA de camundongo (Schubbert et al. 1997).

DNA exógeno administrado por via oral a camundongos grávidas foi detectado em vários órgãos dos fetos e na prole da ninhada. Os fragmentos de DNA do vírus M13 consistem em aproximadamente 830 pares de bases. Grupos de células contendo DNA exógeno foram identificados em vários órgãos de fetos de camundongos usando o método Fish (hibridização fluorescente in situ). O DNA exógeno está invariavelmente localizado nos núcleos das células (Schubbert et al. 1998). Estudos subsequentes obtiveram resultados semelhantes (Hohlweg e Doerfler 2001, Doerfler et al. 2001b).

Você também pode estar interessado em .. Agricultura Sinérgica O que é e como funciona?

Além dos estudos em ratos, a pesquisa em animais de fazenda forneceu aos cientistas uma visão mais completa desse problema. Einspanier et al. (2001) encontraram fragmentos de genes do genoma do milho no sangue e linfócitos de vacas alimentadas com este produto. Reuter (2003) obteve resultados semelhantes em porcos. Da mesma forma, partes do genoma do milho foram detectadas em todas as amostras de tecido obtidas de galinhas (músculos, fígado, baço, rins). Traços de DNA alimentar foram detectados até no leite Einspanier et al. 2001, Phipps et al. 2003), bem como na carne de porco crua (Reuter 2003, Mazza et al. 2005). O DNA dos alimentos também foi detectado em humanos (Forsman et al. 2003).

O mecanismo de entrada do DNA no sistema linfático, corrente sanguínea e tecidos ainda não foi elucidado, mas acredita-se que os adesivos de Peyer desempenhem um papel importante na absorção do DNA dos alimentos. As manchas de Peyer são nódulos de células linfáticas agrupadas na forma de aglomerados ou manchas na mucosa do íleo, a porção mais distal do intestino delgado (www.britannica.com e [5]).

Em 2001, levantou-se a hipótese de que, ao contrário do que acontece com o DNA de alimentos normais, o DNA de alimentos sintéticos de plantas transgênicas seria totalmente degradado, já que Einspanier não conseguia detectar DNA sintético, mas apenas DNA natural. Mas Mazza et al. (2005) mostraram que fragmentos de transgenes sintéticos (do milho transgênico Mon 810) também podem ser encontrados no sangue e em alguns órgãos como baço, fígado e rins. Não está claro por que outros cientistas não detectaram DNA sintético no corpo. Talvez possa ser devido a diferenças na sensibilidade das técnicas utilizadas e também às diferenças entre os primers utilizados [6].Alguns pesquisadores podem ter feito uso inadvertidamente de primers que são pontos de quebra frequentes (embora ainda desconhecidos) do gene sintético.

É indiscutível que o sistema sangüíneo absorve fragmentos de DNA alimentar e DNA sintético de plantas geneticamente modificadas, mas as hipóteses que se levantam sobre as consequências de tais resultados variam enormemente.

Em suas conclusões, tanto Mazza et al. (2005) como Einspanier et al. (2001) negou a existência de risco associado à absorção sanguínea de sequências sintéticas, alegando que a absorção de DNA no sangue é um fenômeno natural e os efeitos das sequências de DNA de alimentos sintéticos no corpo podem ser os mesmos - se for que há algum efeito - do que o DNA dos alimentos comuns. O ILSIE, um grupo de estudos relacionado com a indústria europeia (ILSI 2002), mantém este mesmo ponto de vista.

Mas essas conclusões devem ser consideradas meras suposições, uma vez que nem Mazza et al. (2005) nem Einspanier et al. (2001) e ILSI (2002) não investigaram os efeitos do DNA dietético.

Deve-se notar que alguns pesquisadores da área de imunologia (mas que não lidam com avaliação de risco associada a plantas transgênicas) relataram efeitos específicos do DNA externo, independentemente da forma como foi administrado ( por sonda intragástrica, injetada ou oral). Rachmilewitz et al. (2004) investigaram o efeito imunoestimulador do DNA em bactérias probióticas [7] e na presença de DNA no sangue e órgãos de camundongos. Eles concluíram que a localização do DNA bacteriano em tais órgãos correspondia às suas atividades imunoestimulatórias.

Você também pode estar interessado em .. As 10 multinacionais mais perigosas do mundo

Portanto, parece provável que a presença detectada em vários órgãos e no sangue de outro DNA de alimentos comuns e sintéticos também possa coincidir com atividades imunomoduladoras ainda não investigadas e, portanto, desconhecidas.

Perspectivas

Em uma revisão da literatura científica, Kenzelmann et al. (2006) apontaram que existem mais regiões conservadas de cRNA no genoma do que sequências de proteínas codificadoras de DNA, o que destaca a importância do ácido nucleico na rede regulatória de humanos. Pesquisas recentes mostraram que o RNA desempenha um papel fundamental na construção de redes regulatórias complexas (Mattick 2005, Kenzelmann et al. 2006).

A interação entre DNA não codificador (genes de RNA, íntrons [8] de genes codificadores de proteínas, íntron de genes de RNA) e as células ainda não está elucidada.

Até muito recentemente, a pesquisa se concentrava principalmente em proteínas, que subestimavam o papel do RNA, mas hoje a pesquisa mudou drasticamente o foco para se concentrar em RNAs e suas funções regulatórias abundantes.

Até o momento, a Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) tem relutado em tomar conhecimento dessas mudanças dramáticas na biologia celular e incorporar as novas descobertas na avaliação de risco de plantas geneticamente modificadas, que ainda se baseia no proteínas. Por razões desconhecidas, a agência ignora os efeitos potenciais do DNA e RNA sintéticos de plantas geneticamente modificadas na rede regulatória de humanos. Esperançosamente, este relatório servirá para aprofundar a pesquisa sobre os efeitos potenciais do DNA e RNA sintéticos de plantas geneticamente modificadas no sistema imunológico humano.

Dado que a avaliação de risco e o conhecimento básico de biologia molecular estão intimamente relacionados, prevemos que “a falha em reconhecer a importância do RNA produzido por regiões não codificantes (íntrons, genes de RNA, pseudogenes, etc.) pode ser um dos maiores erros da história da avaliação dos riscos associados às plantas transgênicas. O genoma humano possui o maior número de sequências de RNA não codificantes. Por esse motivo, os humanos são possivelmente as espécies mais sensíveis ao novo RNA e DNA sintéticos produzidos por plantas geneticamente modificadas. ” (John S. Mattick, Diretor do Instituto de Biociência Molecular. Universidade de Queensland, Austrália).

Notas do Revisor

[1] O sistema imunológico é responsável pela defesa contra microorganismos agressivos que atacam humanos há milênios - os chamados "patógenos" -, dos quais preserva uma "memória" genética em proteínas especializadas de sítios telefones celulares estratégicos. Essas proteínas - chamadas de "receptores" - disparam o alarme ao reconhecer o agressor de plantão e acionam as respostas imunológicas e inflamatórias destinadas a neutralizá-lo. Consulte //es.wikipedia.org/wiki/Receptor_cellular.

[2] A imunomodulação se refere à capacidade do sistema imunológico de programar sua resposta aos patógenos. Com relação ao DNA e RNA, consulte //es.wikipedia.org/wiki/ADN e //es.wikipedia.org/wiki/ARN_gen.

[3] Consulte //www.nature.com/ni/journal/v2/n1/full/ni0101_15.html.

[4] Sob pressão das indústrias farmacêutica e agroalimentar, a língua inglesa tem eliminado gradualmente a palavra toxicidade do vocabulário científico para se referir aos aspectos mais nocivos das drogas ou organismos geneticamente modificados, substituindo-a eufemisticamente pelo seu antônimo segurança (segurança). Neste texto, ao falar em “segurança alimentar” o leitor deve saber que na verdade se trata da capacidade de um determinado alimento produzir reações adversas em quem o ingere.

[5] Consulte //www.google.com/search?q=peyer+plates&sourceid=navclient-ff&ie=UTF-8&rlz=1B3GGGL_esES254ES254.

[6] //es.wikipedia.org/wiki/Cetadora.

[7] Veja //www.casapia.com/Paginacast/Paginas/Paginasdemenus/MenudeInformaciones/ComplementosNutricionales/LosProbioticos.htm.

[8] Consulte //es.wikipedia.org/wiki/Intrones.

Bibliografia citada

Schubbert R, Renz D, Schmitz B, Doerfler W (1997) Foreign M13) O DNA ingerido por camundongos atinge leucócitos periféricos, baço e fígado através da mucosa da parede intestinal e pode ser covalentemente ligado ao DNA de camundongo. Proc Natl. Acad Sci USAa 94 (3): 961-966.

ILSI (2002) Considerações de segurança do DNA em alimentos. Novel Food Task Force da Secção Europeia do International Life Sciences Institute (ILSI Europe). Março de 2002.

Você também pode estar interessado em .. Resgatar as sementes

Schubbert R, Lettmann C, Doerfler W (1994) Ingested estrangeiras (fago M13) DNA sobrevive transitoriamente no trato gastrointestinal e entra na corrente sanguínea de camundongos. Mol Gen. Genet 242 (5): 495-504.

Hohlweg U, Doerfler W (2001) Sobre o destino de plantas ou outros genes estrangeiros após a absorção em alimentos ou após injeção intramuscular em camundongos. Mol Genet Genomics 265 (2): 225-233.

Doerfler W, Remus R, Muller K, Heller H, Hohlweg U, Schubbert R (2001b) O destino de DNA estranho em células e organismos de mamíferos. Dev. Biol (Basel) 106: 89-97.

Einspanier R, Klotz A, Kraft J, Aulrich K, Schwaegele F, Jahreis G, Flachowsky G (2001) O destino do DNA de forragem em animais de fazenda: Um estudo de caso colaborativo investigando gado e frango alimentados com material vegetal recombinante. Eur Food Res Technol 212: 129-134.

Reuter T (2003) Vergleichende Untersuchungen zur ernährungsphysiologischen Bewertung von isogenem und transgenem (Bt) Mais und zum Verbleib von “Fremd” -DNA im Gastrointestinaltrakt und in ausgewählten Organen und Geweben des Schweisie s einis. Dissertation zur Erlangung des akademischen Grades Doktor der Ernährungswissenschaften (Dr. troph.) Vorgelegt an der Landwirtschaftlichen Fakultät der Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg verteidigt am 27.10.2003, //sundoc.bibllek / 03 / 03H312 /.

Phipps RH, Deaville ER, Maddison BC (2003) Detecção de DNA de planta transgênica e endógena no fluido ruminal, digesta duodenal, leite, sangue e fezes de vacas leiteiras em lactação. Journal of Dairy Science 86 (12): 4070-4078.

Mazza R, Soave M, Morlacchini M, Piva G, Marocco A (2005) Avaliando a transferência de DNA geneticamente modificado de alimentos para tecidos animais. Transgenic Research 14: 775-784.

Forsman A, Ushameckis D, Bindra A, Yun Z, Blomberg J (2003) Uptake of amplifiable fragments of retrotransposon DNA from the human digestary tract. Mol. Genet Genomics 270 (4): 362-368.

Rachmilewitz D, Katakura K, Karmeli F, Hayashi T, Reinus C, Rudensky B, Akira S, Takeda K, Lee J, Takabayashi K, Raz E (2004) A sinalização do receptor 9 semelhante a Toll medeia os efeitos antiinflamatórios dos probióticos em colite murina experimental. Gastroenterology 126 (2): 520-528.

Mattick JS (2005) The Functional Genomics of Noncoding RNA. Science 309 (5740): 1527-1528.

Glossário adicional

O DNA exógeno é um pedaço de informação genética de um organismo que é inserido em outro por meio da engenharia genética.

O íntron é uma região do DNA que deve ser removida do transcrito primário do RNA. Os íntrons são comuns em todos os tipos de RNAs eucarióticos, especialmente RNAs mensageiros (mRNAs); além disso, eles podem ser encontrados em alguns tRNAs e rRNAs procarióticos. O número e o comprimento dos íntrons variam enormemente entre as espécies e entre os genes da mesma espécie. Por exemplo, o baiacu tem poucos íntrons em seu genoma, enquanto os mamíferos e as angiospermas (plantas com flores) costumam ter muitos íntrons.

Procariotos são células sem núcleo celular diferenciado, ou seja, cujo DNA se encontra livremente no citoplasma. As bactérias são procarióticas.

Eucariotos são organismos cujas células possuem um núcleo. As formas de vida mais conhecidas e complexas são eucarióticas.

Leucócitos periféricos são os glóbulos brancos localizados no sangue periférico.

CRNA é o RNA que não codifica o DNA para a formação de proteínas.

Se desejar pesquisar outros termos, pode fazê-lo em: //www.porquebiotecnologia.com.ar/doc/glosario/glosario2.asp?

Fonte: Texto extraído de apresentação apresentada em Wuppertal (Alemanha) em 21 de novembro de 2007. O texto completo desta apresentação pode ser consultado, em inglês, em:

//www.eco-risk.at/de/stage1/download.php?offname=FOOD-DNA-risk&extension=pdf&id=69

Sobre o autor

Esta tradução é uma versão revisada da publicada no Boletim nº 291 da Rede por uma América Latina Livre de OGM (RALLT). O revisor, Manuel Talens, é membro da Cubadebate, Rebelión e Tlaxcala, a rede de tradutores para a diversidade linguística. Esta tradução pode ser reproduzida livremente, desde que sua integridade seja respeitada e o autor, tradutor, revisor e fonte sejam mencionados.

URL deste artigo em Tlaxcala: //www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=5636&lg=es

Recomendado

Gengibre, propriedades, benefícios, cultivo e como usá-lo para perder peso
Menta: os benefícios impressionantes desta planta
Chia, usos, propriedades contra-indicações e muito mais